Notícias Transplante

Médicos de SC explicam caminho do transplante, do doador ao receptor

Nesta terça-feira (27), é comemorado o Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos. Blumenau, no Vale do Itajaí, é destaque no país. Os profissionais do Hospital Santa Isabel, que fez mais de mil transplantes de fígado em 14 anos, contaram ao Jornal do Almoço o caminho desses órgãos, do doador até o paciente receptor.

Fazer um transplante exige o envolvimento de muitas pessoas em várias etapas. Tudo começa com um paciente e a confirmação da morte cerebral.

“Depois de determinada a morte encefálica, com 100% de precisão desse diagnóstico, é oferecida para a família a possibilidade de doação dos órgãos”, explicou a médica intensivista Karine Becker Gerent, coordenadora da UTI do hospital.

Assim que a família autoriza a doação, começa o trabalho da equipe da Comissão de Doação de Órgãos para Transplante (Cihdott).

“Doado o órgão, a família autorizou, então a Central de Transplantes já nos liga e nos dá as características do doador. Essas características são analisadas com a ficha do receptor e aí nós temos 30 minutos para pelo menos fazer essa distribuição, essa locação”, explicou o médico hepatologista Marcelo Nogara.

Clique aqui e confira a matéria completa.